Eu e o vegetarianismo

Eu e o vegetarianismo

Como costumo dizer, não fui eu que escolhi o vegetarianismo mas ele que me escolheu a mim. Desde que me conheço como gente que sempre gostei de tudo o que era bicho e bem cedo comecei a questionar-me sobre o facto de comer animais. Durante a minha adolescência fiz algumas tentativas mas não duraram muito tempo, talvez por preguiça e acomodação da minha parte. 

Aos 30 eu sai de casa e aí foi a oportunidade perfeita para mudar e começar do zero em algumas coisas. Embora existam pessoas que são determinadas, acordam um dia e dizem “vou ser vegetariana" e mudam tudo do dia para noite, eu levei o meu tempo e pelo caminho fui muitas vezes desanimando, mas o importante foi eu estar ciente do que queria e das razões. Inicialmente eu mudei a alimentação porque tinha excesso de peso e as análises não traziam os resultados mais satisfatórios. Fui fazendo pesquisas e percebi que para melhorar a minha saúde eu teria de procurar uma alimentação o mais natural possível e foi aí que começaram a surgir temas relacionados com o vegetarianismo. Quero só esclarecer que o vegetarianismo não emagrece necessariamente, e emagrecer, só por si, não foi a principal motivação para adoptar esta alimentação.

Depois tudo foi acontecendo de forma gradual. Primeiro deixei o leite e a carne, depois o peixe e por último deixei os derivados do leite, que abandonaram naturalmente a despensa e o frigorífico em benefício de outros hábitos e experiências. A tomada de consciência para outros temas para além da própria alimentação, como a ética e o ambiente, acabam por se sobrepor aos nossos caprichos.

Cinco anos após a mudança e eu não poderia estar mais feliz com a minha escolha. O vegetarianismo não só mudou a minha saúde como mudou o meu corpo, a minha consciência e tudo o que me envolvia. Hoje tenho a certeza que não é só uma alternativa alimentar, é também uma limpeza espiritual e um desintoxicante da vida.