Como escolher uma boa bebida vegetal?

img_1066.jpg

  Para quem opta por comprar a oferta no mercado é variada, contudo é preciso estarmos atentos aos rótulos para fazermos escolhas acertadas. Saber o que estamos a comprar é importante não só pela saúde mas também por uma selecção mais sustentável e económica. Assim sendo aqueles que devemos dar preferência são:

Sem adição de açúcar.                                                                                                                       

Rara é a bebida vegetal sem adição de açúcar e este por vezes vem disfarçado com nomes pouco familiares como é o caso da maltodextrina. A maltodextrina tecnicamente e legalmente não é considerada um açúcar, por isso os fabricantes podem colocar nos rótulos 0% de açúcares adicionados, mas transforma-se em açúcar segundos após a sua ingestão através da decomposição enzimática. Se gostam de uma bebida mais doce podem sempre adoçar em casa e assim controlar não só a qualidade como a quantidade de adoçante incluído. Outra vantagem é que caso queiram usar a bebida para outras receitas têm um produto mais simples que pode ter mais valências ao passo que se for doce já limita a sua utilização. O mesmo se aplica ao sódio, é preferível optarmos sem e adicionar à posteriori.

Quantidade do ingrediente principal.                                                                                           

Para mim uma bebida vegetal deve ter pelo menos 12% da matéria prima principal ou seja 120 g em um litro. Essa é a quantidade mínima que uso para fazer uma bebida vegetal em casa.  Por exemplo, tenho visto bebidas de arroz com 2%, ou seja 20 g de arroz, a custar quase 2€. Se fizermos as contas estamos a pagar o arroz a quase 200€ o quilo. Um quilo de arroz que custe 1€ (consigo mais barato) e fazendo em casa, usando as mesmas proporções do de compra, faço cinquenta doses.

Sem aditivos.                                                                                                                                       

É comum ver nos rótulos, óleo, goma de guar, goma de xantana, amido de milho e mais uma infinidade de coisas que nutricionalmente não acrescentam nada e por vezes só servem para preencher e dar corpo reduzindo assim a quantidade a utilizar do ingrediente principal. Mesmo os que são enriquecidos devem ser evitados pois se seguirmos uma alimentação equilibrada conseguimos suprir as necessidades diárias sem necessitar de usar produtos enriquecidos. De referir ainda que existem determinados nutrientes que o nosso corpo só absorve o que necessita, o excesso é expelido pelo suor e urina. No caso da vitamina B12 os valores que tenho encontrado são de 0.38 mcg por 100 ml. Sendo que a necessidade diária desta vitamina é de 2.4 mcg seria preciso consumir 650 ml por dia. Ao consumir esta quantidade estaríamos não só a suprir as necessidades diárias desta vitamina mas também a sobrecarregar o organismo com todos os outros componentes. Relembro que o fornecimento de nutrientes ao nosso organismo deve resultar de uma alimentação variada e equilibrada e se necessário usar suplementação mas o melhor é consultarem o vosso médico e fazerem análises regulares. 

A melhor opção será sempre fazer em casa, na verdade não demora assim tanto tempo a confecionar, sabemos o que contém, é menos uma embalagem a contribuir para o nosso lixo doméstico e certamente mais barato. Já partilhei a receita de algumas bebidas vegetais e podem consultar, aqui.

 

Fontes:

  • https://nutritionfacts.org/video/is-milk-good-for-our-bones/

  • https://en.wikipedia.org/wiki/Maltodextrin

  • https://pt.wikipedia.org/wiki/Maltodextrina

  • http://www.lowcarb-paleo.com.br/search?q=maltodextrina