É verdade que adotando uma alimentação vegetariana o cuidado com a ingestão de alimentos que proporcionem uma fonte de nutrientes diversificados, deve, em alguns aspetos, ser maior, mas o cuidado com uma dieta rica e variada deveria existir em qualquer outro padrão de alimentação. Sendo realistas, qual é o omnívoro, excluindo casos particulares em que a saúde ou a atividade física assim o exija, que se preocupa com a quantidade de nutrientes que já ingeriu ou deixou de ingerir?

O défice de proteína traz complicações, mas o excesso do seu consumo também. Existe um limite na capacidade do corpo metabolizar a proteína e tudo o que seja acima desse limite pode trazer complicações, nomeadamente aos rins. A proteína que não é utilizada, além de alterar a glicémia, é eliminada pelos rins sobrecarregando as suas funções. O consumo recomendado de proteína para um individuo adulto e saudável é de 0,8 gramas por cada quilograma de peso.

Exemplo: 0,8 gramas de proteína*70 kg de peso=  56 grama de proteína a ingerir por dia

As proteínas são constituídas por cadeias de aminoácidos e, esses sim, são os que desempenham o papel principal como nutrientes, dividindo-se em dois grupos: os essenciais e os não essenciais. Os não essenciais são produzidos no nosso organismo, e os essenciais, nove ao todo, só podem ser obtidos através de fontes externas. Se numa alimentação omnívora a carne disponibiliza todo o tipo de aminoácidos essenciais, numa alimentação vegetariana conseguimos satisfazer a mesma necessidade conjugando vários produtos alimentares. Requer uma maior diversificação, o que também leva a uma alimentação mais consciente e seguramente menos monótona. Não ingerimos gordura animal, há muito identificada como principal causa de doenças cardiovasculares, vários tipos de cancro e diabetes,  e obtemos, além dos aminoácidos necessários, uma maior quantidade de outros nutrientes importantes, que de outra forma são desprezados.

Na tabela abaixo podemos ver os nove aminoácidos essenciais e as fontes vegetais de onde é possível obtê-los:

aminoprote

O cogumelo, pertencente à classe do fungo, é uma excelente fonte de proteína, em especial de um aminoácido, a ergotioneína, descoberto há mais de um século e ignorado até recentemente. A ergotioneína parece funcionar como um potente antioxidante que protege em particular o ADN da mitocôndria, um orgão celular vital, responsável  pelo fornecimento de energia para todas as atividades e respiração das células. Também o feijão preto é rico neste aminoácido.

Fontes:

https://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/what-should-you-eat/protein/

https://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/dietary-fat-and-disease/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Prote%C3%ADnahttps://

www.tuasaude.com/

http://nutritionfacts.org/video/do-vegetarians-get-enough-protein/

http://nutritionfacts.org/?fwp_search=mushroom&fwp_content_type=video

3 pensamentos sobre “Onde está a proteína?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s